Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks

 

BIBLIOTECA CELSO FURTADO – UM ANO DE ATIVIDADES

 

A Biblioteca Celso Furtado (BCF) está completando um ano. Nesses meses, seu sítio teve mais de 4 mil acessos. Foram atendidos 120 usuários presenciais e outros tantos por email. O livro mais procurado foi Formação econômica do Brasil, a obra clássica de Celso Furtado.

Duas realizações da BCF neste primeiro ano merecem destaque: o BANCO DE TESES  e a CATALOGAÇÃO DOS SUMÁRIOS DAS REVISTAS ACADÊMICAS.

  1. BANCO DE TESES: fez-se um levantamento de teses e dissertações sobre Celso Furtado e sua vasta obra. A lista, por ora com 49 trabalhos, divide-se em: a) títulos  disponíveis em pdf na base de dados da BCF; b) títulos disponíveis em versão impressa (mimeo ou livro) na sede da BCF; c) títulos ainda não disponíveis e que proximamente estarão na BCF.

Disponíveis em pdf no site da BCF:

ALMEIDA, José Elesbão de. Subdesenvolvimento e dependência: uma análise comparada de Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso.

AQUINO, Laura Christina Mello de. SUDENE: a utopia de Celso Furtado.

BERNARDI, Lívia Beatriz Moreira. Ortodoxia econômica nas origens da era Vargas: continuidade ou ruptura?

BORGES, Pedro Pereira. O pensamento político na obra de Celso Furtado. São Paulo: PUC, 2007.

BORJA, Bruno. O sentido da tecnologia: a teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado.

BRAGA, Sérgio Soares. As relações entre o executivo e o legislativo e a elaboração da política econômica na primeira experiência de democracia presidencialista pluripartidária brasileira (1946-1964).

CARDOZO, Soraia Aparecida. Continuidades e descontinuidades na articulação do espaço econômico nacional – 1930 aos anos 90: uma análise a partir das políticas tributária, monetária e de desenvolvimento regional.

CARMO SOBRINHO, Corival Alves do. Dependência e estagnação: o debate sobre a crise dos 60. Campinas: UNICAMP, 2001.

CARVALHO, Clerisvaldo Rodrigues de. Em busca de um projeto de nação: revisando a obra de Celso Furtado.

COELHO, Fabiano da Costa. Duas faces da mesma moeda: alcance e limites das microfinanças na luta contra a pobreza. São Paulo: USP, 2006.

CRUZ, José Saraiva. Celso Furtado, o teórico do movimento nacional-desenvolvimentista cepalino-isebiano. Rio de Janeiro: UERJ, 2008.

ETCHEGOYEN, Marco Aurélio Bilibio. O desenvolvimento econômico e o papel da industrialização na superação do subdesenvolvimento: a ótica de Celso Furtado. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

GUIMARÃES, Maria Eugênia. Celso Furtado, a utopia da razão: um estudo sobre o conceito de subdesenvolvimento (1945-1964).

GUIMARÃES, Maria Eugênia . Modernização brasileira no pensamento de Celso Furtado. Campinas: Unicamp, 1993.

KALVAN, Fábio Ricardo. O lugar da nação: no dual-estruturalismo de Celso Furtado e nos estudos sobre a dependência de Fernando Henrique Cardoso.

MAGALHÃES, Diogo Franco. O reinventar da colônia: um balanço das interpretações sobre a economia colonial brasileira.

MARCONDES, Renato Leite. Desigualdades regionais brasileiras: comércio marítimo e posse de cativos na década de 1870. Ribeirão Preto: USP, 2005.

MONTEIRO, Krishna Mendes. O desencantamento da razão: a ideologia política de Celso Furtado, 1972-1992.

PELLEGRINO, Anderson César Gomes Teixeira. O Nordeste de Celso Furtado: sombras do subdesenvolvimento brasileiro. Campinas:

PEREIRA, Fernando de Castro Abdalla. Subdesenvolvimento e dependência: a construção e revisão da teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado à luz do debate com a teoria da dependência.

RODRIGUES, Fabiana de Cássia. O papel da questão agrária no desenvolvimento do capitalismo nacional, entre 1950 e 1964, em Caio Prado Jr., Celso Furtado, Ignácio Rangel e autores pecebistas.

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Os fundamentos teóricos do estruturalismo: uma análise da contribuição de Celso Furtado.

SAMPAIO JR., Plínio Soares de Arruda. Entre a nação e a barbárie: uma leitura das contribuições de Caio Prado Jr., Florestan Fernandes e Celso Furtado à crítica do capitalismo dependente.

SANTOS, Maria Odete. Nação e mundialização no pensamento de Celso Furtado. Campinas: Unicamp, 1998.

SILVA, Rodrigo Luiz Medeiros da. O mito do desenvolvimento sul-coreano.

VALENTE, Marcos Alves. Celso Furtado e os fundamentos de uma economia política republicana.

VIEIRA, Wilson. A construção da nação no pensamento de Celso Furtado.

 

Disponíveis em versão impressa (mimeo ou livro) na sede:

AYRES, Andréia Ribeiro. Ares do Brasil: Celso Furtado, o lugar do desenvolvimento. (LIVRO)

BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Celso Furtado: reforma, política e ideologia (1950-1965). (LIVRO).

BORGES, Pedro Pereira. O pensamento político na obra de Celso Furtado. São Paulo: PUC, 2007.

CRUZ, José Saraiva. Celso Furtado, o teórico do movimento nacional-desenvolvimentista cepalino-isebiano. Rio de Janeiro: UERJ, 2008.

GUIMARÃES, Maria Eugênia. Celso Furtado, a utopia da razão: um estudo sobre o conceito de subdesenvolvimento (1945-1964).

GUIMARÃES, Maria Eugênia. Modernização brasileira no pensamento de Celso Furtado. Campinas: Unicamp, 1993.

MALLORQUIN, Carlos. La idea del subdesarrollo: el pensamiento de Celso Furtado. (LIVRO: Celso Furtado, um retrato intelectual)

SANTOS, Maria Odete. Nação e mundialização no pensamento de Celso Furtado. Campinas: Unicamp, 1998.

VIEIRA, Wilson. Pensamento econômico de Celso Furtado nos 70 e 80.

VIEIRA, Wilson. A construção da nação no pensamento de Celso Furtado. Campinas: Unicamp, 2010.

 

Listadas e proximamente disponíveis na BCF:

ALMEIDA, Lucio Flavio Rodrigues de; CUNHA, Paula Ribeiro Rodrigues; Pires, Julio Manuel. Teoria voltada para a ação: aspectos do pensamento de Celso Furtado no pré-64. São Paulo: PUC, 2004. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais)-Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2004.

BARBOSA, Daniel Pereira. Visões do desenvolvimento: as perspectivas de Celso Furtado e Douglas North sobre o desenvolvimento econômico. Paraná: UFPR, 2009. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico)-Universidade Federal do Paraná, 2009.

CAPELLATO, Priscila Moretti. Uma análise do subdesenvolvimento brasileiro na perspectiva de Celso Furtado. Campinas: UNICAMP, 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Economia)-Universidade Estadual de Campinas, 2008.

CARDOZO, Soraia Aparecida. A desigualdade regional brasileira na visão de Celso Furtado e Wilson Cano. Campinas: UNICAMP, 1999. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Economia)- Universidade Estadual Campinas, 1999.

CEPÊDA, Vera Alves. A teoria do subdesenvolvimento revisitada: entre atraso e dependência. São Paulo: USP, 1999. Tese (Doutorado em Economia Aplicada)- Universidade de São Paulo, 1999.

CEPÊDA, Vera Alves. Raízes do pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento, nacionalidade e Estado democrático. São Paulo: USP, 1998. Dissertação (Mestrado em

COHN, Amélia. Crise regional e planejamento: o processo de criação da Sudene. São Paulo: USP, 1972. Dissertação (Mestrado em Sociologia)-Universidade de São Paulo, 1972.

COLEN, Célia Mara Ladeia. Reforma do estado; em busca do dissenso perdido: análise da crise do paradigma neoliberal a partir das controvérsias teóricas entre Celso Furtado, Fernando Henrique Cardoso e Fábio Wanderley Reis. Minas Gerais: UFMG, 2001. Dissertação (Mestrado em Ciência Política)- Universidade Federal de Minas Gerais, 2001.

DANTAS, José Adalberto Mourão. A problemática desenvolvimento-subdesenvolvimento no pensamento de Celso Furtado: os fundamentos de um pensamento original. São Paulo: USP, 1998. Tese (Doutorado em História Econômica)-Universidade de São Paulo, 1998.

D’ARBO, Renata C. Progresso técnico no pensamento de Celso Furtado. São Paulo: UNESP, 2001. Dissertação (Mestrado em Economia)- Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2001.

GIOMETI, Gastão. Desenvolvimento e transformações na economia mundial segundo Celso Furtado. Campinas: UNICAMP, 1995. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Economia)-Universidade Estadual de Campinas, 1995.

HADLER, João Paulo de Toledo Camargo. Dependência e subdesenvolvimento: a transnacionalização do capital e a crise do desenvolvimento nacional em Celso Furtado. Campinas: UNICAMP, 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Econômicas)-Universidade Estadual de Campinas, 2009.

HADLER, João Paulo de Toledo Camargo. O debate entre Celso Furtado e Maria da Conceição Tavares sobre a crise dos anos 60 e seus fundamentos teóricos. Campinas: UNICAMP, 2006. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Economia)- Universidade Estadual de Campinas, 2006.

MIRANDA, José Carlos da Rocha. Plano Trienal: o canto do cisne do nacional-desenvolvimentismo. Campinas: UNICAMP, 1979. Dissertação (Mestrado)-Universidade Estadual de Campinas, 1979.

SALMITO FILHO, João. As relações inter-regionais no Brasil na visão de Celso Furtado. Fortaleza: UFC, 1998. Trabalho de Conclusão de Curso ( Bacharelado em Ciências Sociais)-Universidade Federal do Ceará, 1998.

SILVA, Renato Morita Forastieri da. A análise do desenvolvimento em Celso Furtado. Campinas: UNICAMP, 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Economia)- Universidade Estadual de Campinas, 2005.

SILVA, Roberto Pereira. O jovem Celso Furtado: história, política e economia (1941-1948). Campinas: UNICAMP, 2010. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico)-Universidade Estadual de Campinas, 2010.

TEIXEIRA JÚNIOR, Augusto Wagner. Ordem internacional, subdesenvolvimento e o papel do Estado no pensamento político de Celso Furtado. Recife: UFPE, 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Sociais)-Universidade Federal de Pernambuco, 2008.

Dica:  no site www.bibliotecacelsofurtado.org.br vá a Consulta ao acervo — Preferências – Tipo de Documento – Tese – Concluir. A busca na janela é livre; batendo o sinal de cifrão $ aparecerão todas as teses da base.

OBS: Caso seja de seu conhecimento algum trabalho acadêmico sobre Celso Furtado, pedimos entrar em contato com a BCF.

 

  1. CATALOGAÇÃO DOS SUMÁRIOS DAS REVISTAS: A coleção de revistas acadêmicas do acervo do professor Celso Furtado é formada por cerca de 300 títulos, do Brasil e do exterior, que se estendem desde os anos 1940 até sua morte em 2004. Neste primeiro ano de atividades da BCF, 1022 exemplares dessa coleção foram catalogados, com a inserção do sumário completo. Até o final do ano o trabalho estará concluído.

Dica: no site www.bibliotecacelsofurtado.org.br vá a Consulta ao acervo — Preferências – Tipo de Documento – Periódico – Concluir. A busca na janela é livre, podendo-se procurar por autor, título, assunto etc; batendo o sinal de cifrão $ aparecerão todos os periódicos da base.

BANCO DE ARTIGOS SOBRE CELSO FURTADO

Banco de Artigos sobre Celso Furtado

 

Rosa Freire d’Aguiar

Rio de Janeiro, junho de 2013

            Ainda vivo, Celso Furtado costumava receber, por correio e mais tarde por email, artigos de professores do Brasil e do exterior que lhe submetiam trabalhos próprios, de alunos ou de outros pesquisadores a respeito de livros seus. Alguns interlocutores lhe pediam uma leitura atenta e comentários; outros solicitavam esclarecimentos sobre este ou aquele ponto, sobre uma interpretação que faziam de um aspecto de sua obra; outros, enfim, apenas enviavam o texto, com um agradecimento formal. Celso lia esses trabalhos e respondia a todos os seus autores. Essa é, sem dúvida, uma das alegrias do professor. No caso dele mais ainda, já que por mais de vinte anos ensinou em universidades na Europa e nos Estados Unidos mas, por circunstâncias do longo exílio político, nunca teve a oportunidade de lecionar (com exceção de um semestre na PUC de São Paulo) numa universidade brasileira. Ter, assim, o reconhecimento de tantos estudantes e pesquisadores de seu próprio país era, para ele, imensa satisfação. 

            Nos meses que se seguiram ao seu falecimento, em 20 de novembro de 2004, a leva de artigos que recebi sobre Celso intensificou-se, sem dúvida motivada pela comoção do momento e pelas homenagens que sua morte suscitou junto a inúmeras publicações acadêmicas, em especial no Brasil e na América Latina, mas também em países da Europa como França e Inglaterra. Desde então, vem se mantendo um fluxo regular de trabalhos sobre sua obra, que por diversos canais me são enviados. O Centro Celso Furtado já congrega em seu “Banco de Teses sobre Celso Furtado” perto de 40 teses e dissertações, quase todas disponíveis on line, e todas em versão impressa, na sede da Biblioteca Celso Furtado. Muitos livros e coletâneas sobre Celso também já foram publicados desde sua morte, todos estando no Catálogo On line da BCF. Faltavam, para auxiliar os estudiosos e interessados em sua vida e obra, os artigos que continuam a ser produzidos e que, conquanto se encontrem dispersos em vários sites na internet, agora aqui estão disponíveis num conjunto sistematizado graças ao trabalho de Aline Balué, bibliotecária do Centro Celso Furtado, que os catalogou com suas devidas referências e seus descritores. Os direitos autorais desses artigos, disponíveis na rede, pertencem a seus autores, a quem agradecemos.

            Este primeiro conjunto que disponibilizamos se compõe de mais de 200 textos, num total de 4000 mil páginas impressas e 7 volumes encadernados disponíveis na BCF. Os temas sobre os quais eles versam vão desde os que conformam o pensamento teórico de Celso e sua atuação pública, como a economia do desenvolvimento, o planejamento, a questão regional e oNordeste, o estruturalismo e a teoria do subdesenvolvimento, aglobalização e as transnacionais, até uma temática menos explorada de sua vasta obra de cerca de 30 títulos traduzidos numa dúzia de línguas, e que vem sendo descoberta em suas ricas vertentes pluridisciplinares, como a cultura, a ciência e tecnologia, a inovação,  o federalismo. Vale ressaltar os artigos mais recentes em que pesquisadores e estudiosos se detêm em paralelos e comparações entre Celso Furtado e autores tão diversos comoMilton SantosAntonio GramsciKarl Mannheim, e Zygmunt Bauman.

            Que este Banco de Artigos cumpra sua função de fortuna crítica que nos motivou a criá-lo.

 

Acesse aqui a Biblioteca e vá a Banco de Artigos sobre Celso Furtado (na coluna da esquerda)  

 
 
Patrocinadores
BNDES Petrobras Eletrobras Caixa Econômica Federal